segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

KYORYU SENTAI JURENJA

título original: Kyoryu Sentai Jurenja
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 1992
país: Japão
elenco principal: Aohisa Takayasu, Hideki Fujiwara, Reiko Chiba, Shiro Izumi, Takumi Hashimoto, Yuta Mochizuki
direção: Shohei Tojo
roteiro: Noboru Sugimura

Quem tem mais de 20 anos, vendo o pôster aí do lado, talvez diga:

“Ué! Mas os personagens que aparecem aí são os primeiros Power Rangers! O que é que eles tão fazendo aí?”

Bom, na verdade, quem questionar isso tá lendo a história de trás pra frente. Os primeiros Power Rangers é que foram inspirados nos personagens que aparecem nesse pôster, ou seja, os Jurenjas.
Em 1992, a companhia japonesa Toei Company foi responsável pelo seriado Kyoryu Sentai Jurenja. E em 1993, começando ali uma lucrativa sociedade com a Toei, a companhia estadunidense Saban Entertainment filmou várias cenas de um novo seriado nos Estados Unidos, com os heróis principais sendo interpretados por atores de lá e com temas muito simples e infantis. Depois, eles pegaram cenas com os vilões e personagens gigantes de Jurenja, dublaram todas essas cenas em Inglês com falas correspondentes ao que aparecia nesse novo seriado e acoplaram uma coisa à outra.
E o resultado dessa mistura foram as 3 primeiras temporadas de Power Rangers (1993, 1994 e 1995).
Então, Jurenja entrou pra História dos Seriados de Ação como o seriado responsável pelo lançamento de Power Rangers.
Quanto à história do seriado, apesar de ter algumas passagens mais tristes e sérias, é basicamente infantil (acho que o público-alvo que a Toei pretendia atingir eram crianças menores mesmo):

Há 170000000 de anos, no território que corresponde ao atual Japão, existia uma espécie de confederação de 5 reinos vizinhos, onde viviam juntos todos os tipos de animais pré-históricos das mais diferentes épocas.
Também viviam humanos ali, além de várias criaturas que hoje são consideradas lendárias e mitológicas, como os gnomos, os grifos, as lâmias, os trolls e os vampiros.
Um dia, esse território foi atacado pela feiticeira Bandora, que causou ali grande destruição. Mas foi derrotada e aprisionada junto com os súditos dela.
Mesmo assim, os antigos ficaram com medo de que ela voltasse um dia. E decidiram deixar um esquema preparado pra esse caso: cada um dos 5 reinos escolheu o seu melhor guerreiro pra ficar hibernando e só acordar se a Bandora voltasse um dia.
Eles são o espadachim vermelho Geki, o lenhador preto Goshi, o lanceiro azul Dan, o atirador de facas amarelo Boi e a arqueira rosa Mei. Em outras palavras, eles são o Esquadrão Pré-Histórico Jurenja.
Em 1992, a Bandora é acidentalmente solta de sua prisão junto com os súditos dela. E começa a atacar com os seus monstros dora (feitos de barro) ou com monstros de outras origens que ela vai escravizando aleatoriamente...
É hora dos heróis despertarem pra defender a Terra.

Bom, temos aqui muita aventura, muita comédia e um certo nível de ficção científica (embora a magia seja muito mais usada, tanto pelos heróis quanto pelos vilões).
Violência? Bem, as cenas de violência de Jurenja são mais fortes que as de Power Rangers. Mas nada que traumatize ninguém.rs
Com exceção dos irmãos Burai e Geki, nenhum personagem tem a sua história pessoal muito explorada.
O último capítulo é escancaradamente mais infantil do que todo o resto do seriado. Pra vocês terem uma ideia, na última cena vai ter gente montando numa nuvem e voando pro Céu pra ir morar com os deuses! E também vai ter gente que vai ser forçada a passar a morar numa tigela que vai ficar flutuando à deriva no espaço!
Contando, ninguém acredita, né? Mas se você chegar a ver o final do seriado, vai ver que eu não tô mentindo.
E não posso encerrar o post sem destacar a presença de alguns atores de Jurenja que são bem conhecidos pelos fãs brasileiros de seriados japoneses.
A hoje falecida Machiko Soga interpretou a Bandora. Mas ela já tinha interpretado a Hedorian de Denshi Sentai Denjiman (1980) e Taiyo Sentai Sanbarukan (1981), a Pandora de Spielvan (1986), Aracnin Morgana de Jiraiya, o Incrível Ninja (1988) e alguns monstros de Space Cop (1982) e Sharivan, o Guardião do Espaço (1983). E nas 2 primeiras temporadas Power Rangers, ela interpretou a Rita Repulsa.
A Ami Kawai interpretou a vilã Rami. Mas ela já tinha interpretado a Marshal de Jiban (1989). E nas 2 primeiras temporadas Power Rangers, ela interpretou a Scorpina.
E os atores Shiro Izumi e Takumi Hashimoto não apareceram em Power Rangers. Mas também são conhecidos no Brasil. O Shiro intepretou o Change Pegasus de Esquadrão Relâmpago Changeman (1985) e o Takumi interpretou o Manabu de Jiraiya.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre Jurenja:


E clique aí do lado em ‘seriados’ que você acha posts sobre Changeman, Denjiman, Jiban, Jiyaiya, Sanbarukan, Sharivan, Space Cop e Spielvan.
Até a próxima!

sábado, 26 de dezembro de 2015

EDGAR RAMÍREZ

O venezuelano Edgar Ramírez deve ser mais lembrado por ter interpretado o perverso deus Ares em Fúria de Titãs 2 (2012), continuação do remake Fúria de Titãs (2010).
Aliás, aproveitando pra comentar Fúria de Titãs 2, que filme mais maluco, né? Parece que pegaram um monte de elementos diferentes da Mitologia Grega, que nunca tiveram nem o menor contato com o Perseu (o Minotauro, a Quimera, os titãs...), botaram num liquidificador e fizeram uma história sem sentido com aquilo.
A própria conclusão do filme é sem pé nem cabeça: se desde o início do filme deixam claro que o Mundo tá se desordenando porque os deuses é que controlam tudo e agora eles tão perdendo o poder, como é que parece que o Mundo se ajusta mais ainda no fim, quando quase todos os deuses morrem?
O único deus que sobrevive é Hades. E mesmo assim, ele perde todos os poderes e se transforma em humano.
Mas enfim: o que consta mais no currículo do Edgar são dramas e filme de suspense. Entretanto, ele também já foi visto em produções de terror.
Em 1993, ele apareceu na comédia de terror ¡Aquí Espaantan!
E em 2014, o Edgar teve em Livra-Nos do Mal.
Clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


E dê uma clicada aí do lado em ‘criaturas subterrâneas’ que você acha um post sobre Fúria de Titãs.
Até a próxima!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

CREATURE

título original: Creature
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 2014
país: Índia
elenco principal: Bipasha Basu, Imran Abbas, Mukul Dev
direção: Vikram Bhatt
roteiro: Girish Dhamija, Sukhmani Sadana e Vikram Bhatt

No início do Mundo, o deus Brahma transformou os homens perversos em monstros, chamados brahmarakshas, como castigo pelas más ações que eles tinham cometido.
O deus prendeu os brahmarakshas no subterrâneo das florestas da Índia e, pra garantir que o suplício deles seria infinito, fez eles ficarem quase imortais: esses monstros só morrem se forem feridos com algum objeto de metal que tenha sido consagrado no Templo de Brahma.
Mas, com o passar dos milênios, acontecem terremotos que abrem fendas na terra. Ou seja, às vezes, vão se abrindo passagens das cavernas subterrâneas onde os brahmarakshas ficam presos até a superfície da terra...

Essa lenda, lançada pelo filme Creature, é a explicação pra presença do monstro que aterroriza os personagens da história.
Quem vai passar por perrengues aqui é a personagem Ahana, que acabou de abrir um hotel de luxo numa área florestal da Índia, sem nem desconfiar que um deslocamento de terra abriu um buraco no chão da floresta vizinha. E como era de se esperar, um brahmaraksha escapou por ali...
Não demora muito e, quase todos os dias, alguém some nas proximidades do hotel. E as carcaças semidevoradas dos desaparecidos vão reaparecendo na floresta.
A polícia bate o pé até o fim insistindo que é uma pantera solta na floresta que tá fazendo isso, embora uma garota que foi atacada ali e sobreviveu afirme que foi agredida por um monstro.
Aliás, a polícia é retratada no filme com uma teimosia absurda. Tem até uma cena, lá pelo meio do filme, em que o monstro ataca o hotel diretamente, todos os hóspedes veem ele e dão depoimentos do que viram... E a polícia continua insistindo que foi uma pantera!
Bom, a criatura que dá nome ao filme é um lagarto humanoide de uns 4 metros da cabeça até a ponta do rabo. E alterna momentos de ataque direto contra os humanos com momentos em que tem o comportamento de um lagarto (andando no teto e nas paredes, armando o bote silenciosamente...).
A meu ver, ele funciona bem como um vilão de filme de terror.
Creature funciona como filme de ação? Sim. Mas tem muitos altos e baixos...
O filme é desnecessariamente longo (tem 2 horas e 14 minutos); perde muito tempo mostrando o relacionamento da Ahana com o namorado dela, chamado Kunal; perde muito tempo mostrando os traumas psicológicos da Ahana...
E nessas partes, o monstro fica meio esquecido.
Humor? Não. A intenção aqui foi contar uma história mais séria.
Suspense? Sim. Muito bom, inclusive, em algumas cenas.
Vale a pena dar uma olhada.
Clique aqui pra ver mais informações sobre Creature:


Até a próxima!

sábado, 19 de dezembro de 2015

BEN AFFLECK

O californiano Ben Affleck é um dos maiores astros de Hollywood. E embora já tenha aparecido em quase todos os gêneros de filmes, são as comédias que aparecem em maior quantidade no curriculum dele.
Produções de terror em que ele já teve foram poucas até hoje. Mas quase todas foram de terror light ou tiveram toques de humor.
Em 1992, o Ben apareceu em Buffy, a Caça-Vampiros.
Em 1997, ele deveria ter aparecido na comédia de terror Mentes Paranoicas, mas as cenas dele foram cortadas na edição final do filme.
No ano seguinte, o Ben teve em Fantasmas.
Em 1999, ele foi visto na comédia de terror Dogma.
E em 2005, o Ben produziu o filme Banquete no Inferno.
Clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

ANIMAL

títulos original e brasileiro: Animal
ano de lançamento: 2014
país: Estados Unidos
elenco principal: Elizabeth Gillies, Keke Palmer, Paul Iacono
direção: Brett Simmons
roteiro: Catherine Trillo e Thommy Hutson

De madrugada, uma fera misteriosa ataca um pequeno grupo de pessoas que entraram numa floresta. Uma mulher é agarrada e morta. E os sobreviventes conseguem se esconder numa casa abandonada que encontram no meio da floresta...
Na madrugada seguinte, acontece a mesma coisa. E depois que um homem é agarrado e morto, os sobreviventes encontram aquela mesma casa, onde são abrigados pelos sobreviventes do grupo anterior.
Mas o animal monstruoso, um estranho mamífero com cabeça esquelética e dentes externos em volta da boca, começa a rondar a casa e tenta arrombar as portas e janelas, acabando por conseguir entrar! E os humanos, enquanto vão tentando se esconder sem fazer barulho pelos cômodos da velha casa, tentam também prender o monstro num desses cômodos.
Só que eles não vão demorar a descobrir que aquela não é a pior parte: não se trata de apenas 1 animal daquela espécie que vive naquela floresta, mas sim de uma manada!

Animal não é um filme pra quem gosta de histórias complexas ou que se desenvolvem muito. Na verdade, a sinopse acima já conta o filme basicamente todo.rs
Os antecedentes e as consequências de qualquer situação vista ou comentada no filme praticamente não existem. O que entra em cena é quase tudo que faz parte da história.
Portanto, é claro que não se dá nenhuma informação sobre a origem dos monstros. Mas, andando pela Internet, encontramos alguns sites que comentam Animal e levantam uma hipótese sobre o assunto: como tem uma cena em que os heróis esbarram com uma velha mochila abandonada da Marinha dos Estados Unidos no meio da floresta, teve gente que entendeu isso como uma pista de que os animais seriam mutantes criados por cientistas da marinha e abandonados naquela floresta.
Bom, se é que foi isso, foi realmente uma pista muito vaga que o diretor deixou, pois a tal mochila nunca aparece nem volta a ser mencionada em nenhuma outra cena do filme.
Quanto aos personagens, quase nenhum tem muitas características pessoais expostas...
O Douglas se revela o grande vilão da história, já que ele tá meio surtado com toda aquela situação (a mulher que morreu no início era casada com ele). E o Sean e a Alissa descobrem que tavam vivendo um triângulo amoroso bissexual com o mesmo homem.
Os outros personagens entraram na história basicamente só pra serem agarrados e comidos pelo monstro em alguma cena.rs
Falando nele (e nos outros da mesma espécie que aparecem depois), é retratado tão somente como um animal muito feroz. Não vemos nenhuma característica de sadismo, vingança nem adjacências no comportamento da criatura.
Aventura? Bastante. Principalmente em relação a cenas de perseguição, que a gente vê do início ao fim do filme.
Humor? Não. Tentaram contar aqui uma história mais séria.
Continuação à vista? Possivelmente. Até agora, ninguém falou nada oficialmente sobre uma continuação pra Animal, mas a última cena dá a entender que a história não acabou ali.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o filme:


Até a próxima!

sábado, 12 de dezembro de 2015

ORLANDO BLOOM

Considerado um dos maiores astros ingleses da atualidade, o Orlando Bloom já apareceu em alguns dos filmes mais famosos dos últimos 15 anos (inclusive em várias superproduções), depois de ter se tornado realmente conhecido do grande público no clássico O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel (2001).
Entretanto, filmes tecnicamente de terror não constam no currículo dele.
Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra (2003) eventualmente é considerado um filme de terror light ou mesmo de terror infantil. E o Orlando tava lá, interpretando o personagem Will.
As continuações desse filme lançadas em 2006 e 2007 também contaram com a presença dele. E ele vai voltar em Piratas do Caribe: Os Mortos Não Contam Histórias, previsto pra ser lançado em 2017.
O Orlando também aparece em 2 minidocumentários sobre os personagens dessa série cinematográfica: Blooper Reel (2003) e Bloopers of the Caribbean (2007).
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

POSEIDON REX

títulos original e brasileiro: Poseidon Rex
ano de lançamento: 2013
países: Belize / Estados Unidos
elenco principal: Anne McDaniels, Brian Krause, Steven Helmkamp
direção: Mark L. Lester
roteiro: Rafael Jordan

Tentando se livrar de uma dívida que fez com um mafioso, um ex membro da quadrilha dele mergulha nas proximidades de uma ilha do Caribe pra recolher um tesouro perdido que ele encontrou por lá. E encontrando um grande objeto soterrado sob um morro subaquático, ele decide dinamitar aquilo, supondo que o objeto em questão é um navio afundado ou alguma coisa assim...
Pro azar dele e de todas as pessoas que tão na ilha, o que havia ali embaixo era um grande ninho cheio de ovos de um monstro marinho muito feroz, soterrado ali há milhões de anos.
E essa não é a pior parte: a mãe desses ovos, soterrada junto com o ninho, acordou com a explosão, disposta a devorar qualquer coisa que se mexa na frente dela!

Quem já viu Up From the Depths (1979), ao dar uma olhada em Poseidon Rex vai sentir nitidamente o cheiro de plágio no ar...
Temos aqui um monstro marinho pré-histórico, gigantesco, muito feroz e com uma aparente predileção por comer carne humana que ficou soterrado no fundo do Mar por milhões de anos até se soltar acidentalmente com um deslocamento de terra; uma grande quantidade de turistas hospedados numa praia perto dali sendo atacados e eventualmente comidos pela criatura; uma cena em que o braço arrancado de uma das vítimas é encontrado; um grupo de pessoas que saem de barco pra encarar a criatura mano a mano e tem como resultado disso apenas derrota e um barco afundado; e um tesouro afundado que o pessoal mergulha pra recolher.
Pois é: tudo isso já tinha aparecido em Up From the Depths.
Dá pra ver que várias cenas de Poseidon Rex foram postas no filme só pra encher linguiça, como as cenas em que aparece a tal máfia de bandidos que vivem na ilha (mas que não chegam a fazer nada na prática na quase totalidade dessas cenas), as cenas em que o exército entra em ação pra enfrentar o monstro (só que os militares aí ameaçam muito e não fazem nada) e uma cena de sexo ridícula entre os personagens Jackson e Sarah, em que nenhum dos 2 nem sequer tira a roupa.
O filme também apresenta vários deslizes que acabam transformando ele numa piada: um grupo de pessoas encontram um homem desconhecido boiando desmaiado no Mar e levam pra casa de um deles (será que o procedimento não seria levar o cara pro hospital e/ou chamar a polícia?); quando ele acorda, tem uma conversa de poucos minutos com os salvadores dele e todo mundo, do nada, se anima a mergulhar com ele pra procurar um tesouro afundado que ele diz que localizou; e tem várias pegadas que a ‘mamãe monstro’ deixou no fundo do Mar (ué: ela nadava ou andava no fundo do Mar?).
Sobre essa última característica, podemos acrescentar que, em várias cenas em que ela aparece na superfície do Mar, parece que ela tá em pé na superfície da água ou mesmo caminhando sobre a superfície!
Então, Poseidon Rex vai fazer companhia às outras comédias involuntárias que eu já mencionei aqui: Calígula (1979), Gigantes Guerreiros Goggle Five (1982), O Rato-Humano (1988), O Inominável 2 (1992), Incesto (2000), Pecados & Tentações (2008) e Axe Giant: The Wrath of Paul Bunyan (2013).
Como ponto positivo, posso dizer que Poseidon Rex tem boas cenas de aventura (principalmente de perseguição).
Também surpreende um pouco em relação aos protagonistas, já que, na 1ª meia hora, o filme é focado num casal de namorados que foram passar as férias na ilha...
Você acha que eles são o mocinho e a mocinha do filme, certo? Errado. O bandido arrependido Jackson e oceanógrafa Sarah protagonizam essa pérola.
Aliás, é a Sarah que dá ao monstro o nome de Poseidon Rex, já que se trata de um monstro marinho, mas se parece muito com um tiranossauro rex.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o filme:


E clique aí do lado em ‘comédias’ que você acha posts sobre Axe Giant, Calígula, Goggle Five, Incesto, O Inominável 2, O Rato-Humano, Pecados & Tentações e Up From the Depths.
Até a próxima!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

OLIVER ROBINS

O nova-iorquino Oliver Robins é lembrado até hoje pelos filmes Poltergeist (1982) e Poltergeist II (1986), nos quais ele interpretou o personagem Robbie.
Ele deixou a carreira formal de ator pouco tempo depois (embora até hoje ele ainda faça algumas pontas, principalmente em programas humorísticos). Mas chegou a trabalhar em algumas outras produções de terror.
Em 1982, o Oliver apareceu no telefilme Não Adormeça.
Em 1986, ele teve em 1 capítulo do seriado Além da Imaginação.
E atualmente, o Oliver tá com um novo projeto relacionado ao assunto: ele quer dirigir uma comédia de terror inspirada nas experiências dele com os filmes de terror quando ele era criança. Vai se chamar Oliver Robins: Curse of the Child Star.
É compreensível que ele queira dirigir uma produção que mistura terror e comédia, tanto porque ele parece ter se especializado mais na área do humor quanto por ele ter ficado mais famoso por causa de uma comédia de terror.
Sim: pra quem não sabe, Poltergeist era uma sátira de terror. Mas, como é um filme que até hoje carrega com ele uma série de lendas (muita gente ainda tem certeza de que se trata de um filme amaldiçoado) e é lembrado de forma negativa por causa da morte de vários membros do elenco dele e de sua continuação (Poltergeist II), o humor contido ali foi praticamente esquecido.
Dizem as más línguas que o Oliver e outros atores que participaram desses 2 filmes só se recusaram a participar do 3º da série (Poltergeist III, de 1988) porque acharam o roteiro desse último muito bobo. E de fato, foi o que fez menos sucesso.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


E clique aí do lado em ‘séries cinematográficas’ que você acha um post sobre Poltergeist.
Até a próxima!

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

JIBAN

título original: Kido Keiji Jiban
título brasileiro: Jiban
ano de lançamento: 1989
país: Japão
elenco principal: Jiko Enokida, Leo Meneghetti, Shohei Kusaka
direção: Keita Amemiya
roteiro: Shozo Uehara

Em 1989, repentinamente, o Japão começa a ser atacado por misteriosos monstros. E um igualmente misterioso policial robô aparece do nada, destrói as terríveis criaturas e vai embora sem deixar vestígios.
Isso é tudo o que o povo de Tókyo sabe.
Enquanto isso, os tais monstros, que são mutantes membros de uma organização criminosa chamada Baiolon, vão se fortalecendo cada vez mais, liderados por seu misterioso criador: um cientista chamado Jean-Marie.
Ao mesmo tempo, ninguém desconfia que o jovem policial Naoto, aparentemente tão bobão, é na verdade o Policial de Aço Jiban (sim: ele é a tal figura que todo mundo pensa que é um robô rs).
Auxiliado por uma menina de uns 10 anos, chamada Aiume, o Jiban obtém uma vitória atrás da outra em suas primeiras investidas contra Baiolon.
Mas a coisa vai ficar séria quando o Dr. Jean-Marie perceber que a Aiume sabe de alguma coisa sobre o herói e começar a visar a menina...

O gênero metal hero, lançado em 1982 com o seriado Space Cop, foi um dos mais bem sucedidos tipos de seriados de aventura voltados pra crianças e adolescentes que o Japão conheceu nos anos 80. E se propagou até o final dos anos 90, aí já passando por uma certa decadência.
A questão é que os sucessores oitenteiros de Space Cop seguiram basicamente a mesma linha lançada por ele, só com pequenas diferenças de um pro outro. E é claro que tiveram altos e baixos na audiência ao longo da década. Mas até hoje, quando se fala em “metal hero”, o que vem à mente da maioria das pessoas são exatamente esses, ou seja, Sharivan, o Guardião do Espaço (1983); Shaider, o Detetive do Espaço; Machineman (ambos de 1984); O Fantástico Jaspion (1985); Spielvan (1986); Metalder, o Homem-Máquina (1987); Jiraiya, o Incrível Ninja (1988); e, finalmente, Jiban.
Os que foram feitos depois disso, como Winspector (1990) e Solbrain (1991), começaram a seguir outros estilos e, na prática, acabaram virando outro tipo de seriado de aventura e se descaracterizando, o que provocou a decadência que eu disse.
Mas enfim: Jiban foi o que fechou a definição de metal hero nas condições em que esses seriados tinham sido lançados.
Dá pra ver que a história começa mais infantil (até pela presença da menina e do acesso direto do Naoto à família dela) e vai ficando mais dramática conforme vai avançando (com o Naoto passando a viver sozinho, procurando incessantemente pela amiga desaparecida, descobrindo segredos estarrecedores sobre o passado dele, tendo que lutar contra inimigos cada vez mais poderosos que vão aparecendo e sendo obrigado a se fortalecer cada vez mais).
Jiban também desperta uma certa curiosidade por trazer as 2 vilãs femininas mais fortes da História dos Metal Heroes: a Mado Garbo e a Rainha Cosmos.
A 1ª é a obra-prima do Jean-Marie, que criou essa mutante de aparência brutal e poderes quase ilimitados com a intenção única de destruir o Jiban. E a 2ª é uma extraterrestre que aparece lá pelo meio do seriado como um 3º poder da história, atacando tanto o Jiban quanto o Baiolon, já que ela quer se livrar desses 2 ‘obstáculos’ pra conquistar a Terra sozinha.
Jiban é ainda outro seriado que chama a atenção pro fato da Humanidade poluir não só os ares e os rios como também o próprio espaço, visto que os 2 vilões mais poderosos da história são mutantes que nasceram exatamente desses tipos de poluição.
E pra encerrar, vale lembrar que Jiban parece ter sido vagamente inspirado no filme estadunidense Robocop (1987), que tava na crista da onda da moda na época em que o seriado foi projetado.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre Jiban:


E clique aí do lado em ‘metal heroes’ que você acha informações sobre Jaspion, Jiraiya, Machineman, Metalder, Shaider, Sharivan, Space Cop e Spielvan.
Até a próxima!

sábado, 28 de novembro de 2015

MICHAEL ROSENBAUM

O nova-iorquino Michael Rosenbaum é mais lembrado sem dúvida por ter interpretado o vilão Lex Luthor em Smallville, entre 2001 e 2011.
A maioria das produções em que ele teve presente até hoje foram de aventura e ficção científica. Mas ele também já passeou pela área do terror. E não só como ator, mas também como diretor, roteirista e produtor.
Em 1998, o Michael apareceu no slasher Lenda Urbana.
Em 2005, ele teve um pequeno personagem em Amaldiçoados.
Em 2010, o Michael foi visto na comédia de terror Fudgy Wudgy Fudge Face.
Em 2012, ele dirigiu, escreveu e produziu o curta-metragem de terror Fade Into You.
E em 2014, o Michael trabalhou na produção de outro curta-metragem de terror: The Visitant.
Clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

UP FROM THE DEPTHS

título original: Up from the Depths
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 1979
países: Estados Unidos / República das Filipinas
elenco principal: Charles Howerton, Sam Bottoms, Susanne Reed
direção: Charles B. Griffith
roteiro: Carl Gottlieb (autor do texto original) e Alfred M. Sweeney

Depois de mergulhar sozinha no Mar, uma mulher é devorada quase completamente por um peixe gigantesco e misterioso.
Pouco depois, uma mão dela é encontrada.
Na mesma praia, a carcaça de um animal marinho é encontrada semidevorada (aparentemente, isso foi causado pela mesma criatura que matou a mulher).
Depois que o peixe gigante faz novas vítimas, um marinheiro cinquentão que tá sempre meio bêbado decide pegar o bicho, contando com o apoio de algumas outras pessoas.

Um desavisado que leia a sinopse acima vai pensar que a gente tá falando de Tubarão (1975), né? Mas o equívoco é bastante compreensível, já que Up from the Depths não é nada menos que uma paródia do clássico lançado pelo Mestre Steven Spielberg.
Erroneamente classificado por alguns sites como uma “comédia involuntária”, esse filme tem um humor que não é NADA involuntário: não é preciso observar muito pra ver que várias cenas do início ao fim do filme foram feitas escancaradamente com a intenção de fazer o público rir.
O próprio monstro que tava previsto pra aparecer quando o filme tava em fase de produção tinha uma aparência muito mais caricata. Mas, por motivos desconhecidos, o diretor substituiu ele por outro peixão de plástico com uma aparência um pouco mais feroz, mas, ainda assim, visivelmente falsa.
Aliás, somando todas as cenas em que o monstro aparece no filme, não dá nem 10 segundos. As cenas dele são todas muito rápidas mesmo.
Vale lembrar que o monstro aqui não é um tubarão, mas sim um peixão pré-histórico que tava hibernando no fundo do Mar até ser libertado por um terremoto. Mas vale lembrar mais ainda que isso nunca é explicado explicitamente no filme (só ficamos sabendo dessa parte devido a matérias sobre o filme feitas na época em que o diretor e o roteirista explicaram isso rs).
Quanto aos personagens, o único que é escrachadamente engraçado é o gerente do hotel que fica na praia onde o monstro tá atacando, chamado Oscar. O ator Kedric Wolfe fez uma interpretação quase circense pro personagem.
O ator Virgil Frye, que interpretou o marinheiro cinquentão pinguço, também não deu um tom sério ao personagem dele. Mas é aquele engraçado mais contido.
Os demais personagens principais são interpretados com ares mais sérios pelos seus respectivos atores. Mas fazem coisas tão idiotas e tão nonsense que você acaba rindo.
Bom, evidentemente, Up from the Depths só pode ser recomendado a quem gosta de comédias de terror. Não tem como ver esse filme levando ele a sério.
Clique aqui pra ver mais informações sobre o filme:


E clique aí do lado em ‘séries cinematográficas’ que você acha um post sobre Tubarão.
Até a próxima!

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

RICHARD GERE

Considerado um dos grandes astros de Hollywood, o pensilvaniano Richard Gere é um ator mais de dramas e comédias.
Em 2002, ele protagonizou o filme A Última Profecia, a única produção de terror em que ele já foi visto e inspirado na lenda do Homem-Mariposa.
Essa criatura, de acordo com alguns habitantes da Virginia Ocidental, foi uma assombração que apareceu nos Estados Unidos nos anos 60, sempre de noite e frequentemente observando automóveis. E tinha a aparência de um grande vulto escuro com 2 olhos vermelhos faiscantes e asas enormes.
De acordo com a imagem folclórica que se criou depois disso, ele é um monstro que sempre aparece em algum lugar onde vai acontecer uma tragédia (na interpretação de alguns, o Homem-Mariposa é uma assombração benéfica, que quer exatamente espantar as pessoas pra longe dos lugares onde ele sabe que vai acontecer alguma coisa ruim).
Curiosamente, depois dos relatos de algumas aparições do monstro na mesma época na Virginia Ocidental, o assunto simplesmente morreu de uma hora pra outra.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o Richard:


Até a próxima!

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

LANCE BASS

O mississipiano Lance Bass talvez tenha se tornado mais conhecido na época em que era membro do grupo *NSYNC. Mas depois do fim do grupo, ele seguiu com a carreira de cantor, também não deixando de lado as carreiras de ator e dublador.
E nessas carreiras, ele teve algumas passagens por produções de terror. Mas todas (pelo menos até hoje) mais voltadas pro público infantil e/ou adolescente.
Em 1999, o Lance e outros membros do *NSYNC foram responsáveis pela trilha sonora de 1 capítulo do seriado de comédia de terror infantil Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira.
Em 2005, ele fez uma pequena participação interpretando ele mesmo no filme Amaldiçoados (que talvez seja o filme de lobisomem pra adolescentes mais famoso dos últimos anos, já que Crepúsculo, de 2008, embora tenha lobisomens na história, não é voltado ESPECIFICAMENTE pra lobisomens).
E em 2012, o Lance participou como dublador de 1 capítulo do seriado de terror infantil Um Verão de Mistérios.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

A WET DREAM ON ELM STREET

título original: A Wet Dream on Elm Street
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 2011
país: Estados Unidos
elenco principal: Anthony Rosano, Sophie Dee, Tommy Pistol
direção e roteiro: Lee Roy Meyers

Há muitos anos, um vendedor de produtos eróticos chamado Freddy foi linchado e queimado vivo pelos clientes, quando eles descobriram que os produtos que ele vendia eram importados da China.
Depois disso, ele se transformou num espírito tarado, que aparece nos sonhos das mulheres querendo transar com elas e usando uma luva com 4 vibradores nas pontas dos dedos.
A única forma de derrotar o Freddy é tirando as pilhas dos vibradores. Mas isso nenhuma mulher nunca conseguiu, pois elas têm um orgasmo e acordam quando tão a ponto de fazer isso.

A Hora do Pesadelo (1984) foi um clássico do terror que teve 6 continuações (1985, 1987, 1988, 1989, 1991 e 2003), 2 remakes (1993 e 2010), 1 seriado inspirado (1988), 1 reboot (1994) e 1 paródia. E é dessa última que a gente tá falando nesse post.
Mas, ao contrário de todas as outras produções inspiradas no filme (como, por exemplo, Mahakaal, o remake de 1993), A Wet Dream on Elm Street não tem nenhuma intenção de aterrorizar. A ideia aqui é fazer todo mundo rir mesmo: as cenas são escrachadamente engraçadas.rsrs
Embora o filme tenha um forte teor sexual, o sexo acabou ficando quase em 2º plano. O filme acabou seguindo, mais ou menos, a mesma linha que Suckula (1973): mais comédia do que terror e sexo, embora o terror e o sexo tejam presentes.
A Wet Dream on Elm Street não conta com grandes efeitos especiais nem com cenas de aventura. É um filme com terror superficial pra quem quer rir sem compromisso. Mas pra ser visto só por adultos, é claro.
Clique aqui pra ver mais informações sobre o filme:


E clique aí do lado em ‘seres sobrenaturais’ que você acha posts sobre A Hora do Pesadelo, Mahakaal e Suckula.
Até a próxima!

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

NOAH WYLE

O californiano Noah Wyle talvez seja mais conhecido por ter interpretado o Dr. John Carter no seriado Plantão Médico, entre 1994 e 2009.
Ele é um ator principalmente de dramas e comédias. Mas também já teve alguns trabalhos em produções de terror.
Em 2001, o Noah teve no filme Donnie Darko.
E entre 2011 e 2015, ele foi visto no seriado Falling Skies.
Clique no link abaixo pra ver mais informações sobre o Noah:


Até a próxima!

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

NAKSHATRA BAGWE

O indiano Nakshatra Bagwe é conhecido principalmente por ser (na Índia) um dos principais ativistas pelos direitos GLBT.
Por isso mesmo, ele tem lançado filmes dos mais variados gêneros voltados pro público gay. E uma dessas produções, chamada The Uninvited, deve ser lançada nos próximos meses como o 1º filme de terror GLBT da Índia.
Aliás, o trailer já pode ser facilmente encontrado nos sites de vídeo mais famosos da rede.
Pelas informações que a gente encontra na Internet, a história é sobre 5 amigos (4 gays e 1 travesti) que tão viajando de carro por uma floresta. Mas, de repente, o motor pifa. E depois que eles saem andando pela floresta procurando ajuda, a única construção que encontram nas proximidades é um convento católico, onde, de acordo com uma lenda, já aconteceram coisas estranhas no passado... Mas essa não é a pior parte, já que a assombração responsável por essas “coisas estranhas” ainda vaga pelo convento até hoje!
Bom, vamos esperar o filme estrear pra ver como ficou o resultado.
Vale lembrar que, além de ator, o Nakshatra também foi o roteirista do filme.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

AEROMOÇA EM APUROS

título original: Aeromoça em Apuros
ano de lançamento: 2007
país: Brasil
elenco principal: Dino Miranda, Milena, Victor Lion
direção e roteiro: Richard de Castro

Em 2002, um quadro do Zorra Total mostrava 2 guardas de um aeroporto, interpretados pelo José Santa Cruz e pelo Nelson Freitas, que davam um jeito de fazer as mulheres tirarem a roupa quando passavam no detetor de metais...
Acho que não é novidade pra nenhum internauta que, principalmente nos últimos 10 anos, as paródias pornô começaram a se popularizar. E por incrível que pareça, esse quadro do Zorra Total inspirou uma delas!
Aeromoça em Apuros mostra basicamente a mesma história daquele quadro, só que pegando um pouco mais pesado e com 3 cenas de sexo de verdade envolvidas.
Bom, a velha regra: se você gosta desse tipo de filme, procure Aeromoça em Apuros; se não gosta, ignore.
Clique aqui pra ver mais informações sobre o filme:


Até a próxima!

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

JAKE GYLLHENAAL

O californiano Jake Gyllhenaal talvez seja mais conhecido por ter protagonizado o romance gay O Segredo de Brokeback Mountain (2005). Mas, curiosamente, a maioria dos trabalhos que constam no currículo dele são comédias.
O único trabalho dele até hoje na área do terror foi um curta-metragem chamado The Shoes: Time to Dance (2012).
A coisa começa como uma espécie de slasher, com o personagem do Jake se fantasiando de lutador de esgrima e matando jovens que ele encontra aleatoriamente. Mas depois a coisa acaba perdendo a mão e fica difícil classificar esse filme dentro de algum subgênero específico do terror, com o vilão passando a matar as vítimas dele usando roupas comuns.
Ainda por cima, é aquele tipo de filme que termina sem você entender nada da história. Deu a louca no cara, ele matou um monte de gente e terminou a história andando por aí sem rumo. Sim: The Shoes: Time to Dance se resume a isso.
Guardando-se as devidas proporções de diferença, esse filme parece uma versão simplificada do slasher oitenteiro A Hora das Sombras (1981), que é criticando principalmente por não dar nenhuma informação sobre a identidade do assassino (que também tem a aparência de um homem comum e usa roupas comuns) nem de por que ele mata.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o Jake:


E clique aí do lado em ‘aventura’ que você acha um post sobre O Segredo de Brokeback Mountain.
Até a próxima!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

MÁRIO GOMES

O brasileiro Mário Gomes é lembrado principalmente pelas novelas de que já participou. E a 1ª novela dele tinha uma história que, de acordo com alguns sites, abordava o tema ‘vampirismo’. Se chamava A Mansão dos Vampiros (1970).
Mas as informações disponíveis na Internet sobre essa novela são muito vagas. Então, infelizmente, não tenho muito a repassar pra vocês sobre o assunto.
Em 1990, o Mário apareceu na comédia de terror O Escorpião Escarlate.
Em 1993, ele teve na novela Olho No Olho, que, dependendo do ponto de vista, pode ser considerada de terror, já que abordava a paranormalidade, tinha um vilão que era filho biológico do diabo e tal.
E em 1999, o Mário foi visto em 2 capítulos do seriado Você Decide que também abordavam o tema ‘vampirismo’.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A ESTOQUISTA

título original: A Estoquista
ano de lançamento: 2006
país: Brasil
elenco principal: Lorena Aquino, Vinny Burgos, Yasmin Viana
direção e roteiro: Richard de Castro

O Dr. Vinny é um microempresário que administra um galpão, utilizado pra estocar diferentes materiais.
As estoquistas que trabalham pra ele tão sempre ansiosas pra ter uma promoção ou pra ser tratadas com mais vantagens dentro da microempresa. E é claro que elas tão dispostas a... convencer o chefe a dar esses privilégios a elas.

Bom, acho que nem tem muito mais do que isso pra se dizer sobre esse filme.rs
A Estoquista é um filme que vale a pena ser visto por quem é fã dos atores que fazem parte do elenco. Porque a história, como já vimos, nem se desenvolve muito.
Também não espere ver grandes cenas de sexo aqui. O que aparece, é bem feijão com arroz mesmo (pelo menos comparado ao que a Lorena Aquino e o Vinny Burgos são vistos fazendo em outros filmes rs).
E como eu sempre digo: se você é fã desse tipo de filme, confira; se não é, ignore.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre A Estoquista:


Até a próxima!

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

JASON SMITH

O australiano Jason Smith talvez seja mais conhecido no Brasil por ter interpretado o ranger vermelho da 16ª temporada de Power Rangers (2008). Mas ele é um ator mais de dramas e romances. E até hoje foram poucas as participações dele nas produções de terror.
Em 2010, ele teve no filme 10 Days to Die.
Em 2012, o Jason apareceu no curta-metragem Rotting Hill.
Clique no link abaixo pra ver mais informações sobre o ator:


Até a próxima!

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

VIDEO AULAS

título original: Video Aulas
ano de lançamento: 2013
país: Brasil
elenco, direção e roteiro: Rogério Gozzi

Em 2013, o Fisioterapeuta Rogério Gozzi começou a postar no YouTube uma série que achei muito interessante, intitulada simplesmente Video Aulas.
Bom, o que achei interessante é que se trata de uma série sobre basicamente todos os fenômenos que se passam no corpo humano, mas contada com uma linguagem simples e divertida, sem partir simplesmente pra palhaçada.
Essa última parte é a mais curiosa. Porque a gente sabe que o que não falta no YouTube é gente postando palhaçadas, futilidades e inutilidades, né? E aqui ele consegue dar todas as informações que tem que dar sobre o assunto que tá sendo discutido de uma forma engraçada, mas sem partir pro escracho.
Bom, até pouco tempo atrás, ele tinha lançado 120 capítulos da série. Mas nos últimos meses ele lançou mais alguns e atualmente são 130 (todos no YouTube). E não sei se ele ainda vai lançar mais, mas acredito que sim.
Mas enfim: clique aqui pra ver mais informações sobre as Video Aulas:


Até a próxima!

sábado, 24 de outubro de 2015

DWAYNE CAMERON

O neozelandês Dwayne Cameron talvez seja mais conhecido no Brasil por ter interpretado o ranger mercúrio da 15ª temporada de Power Rangers (2007).
Bom, ele é um ator principalmente de produções de ficção científica. Mas teve até hoje alguns poucos trabalhos na área do terror.
No ano 2000, o Dwayne protagonizou o telefilme Possum Hunter, que parece, mais ou menos, um slasher de floresta.
Em 2003, ele apareceu no filme A Cidade Maldita.
Em 2012, o Dwayne protagonizou o curta-metragem de terror A Dream...
De acordo com alguns sites, tem um novo filme de terror com ele chegando aí. Se chama Silent Fear.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o Dwayne:


Até a próxima!

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

A MOSCA 2

título original: The Fly II
título brasileiro: A Mosca 2
ano de lançamento: 1989
países: Canadá / Estados Unidos
elenco principal: Daphne Zuniga, Eric Stoltz, Lee Richardson
direção: Chris Walas
roteiro: Frank Darabont, George Langelaan, Jim Wheat, Ken Wheat e Mick Garris

Depois de ficar grávida do cientista Seth, a jornalista Veronica morre no parto ao botar no Mundo um enorme casulo de inseto, de dentro do qual sai um bebê humano.
O ambicioso e desumano Anton Bartok, presidente de uma das companhias que financiavam os trabalhos do Seth, se apossa do bebê, chamado Martin, pretendendo tirar proveito disso. Afinal, o Seth se transformou num mutante insetoide depois de ser vitimado por uma experiência que deu errado. E é muito provável que o bebê tenha herdado os genes mutantes do pai...
O Martin é mantido nos laboratórios da companhia, sob o pretexto de tratar uma misteriosa doença, visto que o corpo e a capacidade de raciocínio dele se desenvolvem a uma velocidade espantosa (os supostos sintomas da “doença”).
Com 5 anos de idade, a estrutura física de 25 e a mente de um gênio, ele vê a forma sádica como os cientistas da companhia tratam os animais mantidos ali e percebe que ele foi eternamente espionado e filmado desde o dia em que nasceu, o que faz ele entender que ninguém naquela companhia é nem minimamente inocente. E a gota d’água é quando ele percebe que tá se transformando num ser monstruoso e o Anton não tá nem aí pra isso (ao contrário: quer mais é que ele se transforme mesmo pra poder ganhar alguns bilhões de dólares com isso), o que leva o Martin a fugir dos laboratórios e buscar a ajuda da namorada Beth...
Mas o que fazer se as únicas pessoas que podem ajudar ele de fato são exatamente os cientistas desumanos de quem ele tá fugindo?

Continuação do polêmico filme A Mosca (1986), A Mosca 2 recebeu muito mais investimento do que o original, tendo cenários bem maiores e mais variados e também uma grande quantidade de figurantes. Mas pegou mais leve com as cenas splatter.
O próprio monstro insetoide em que o Martin se transforma tem uma aparência bem menos nojenta do que o monstro em que o pai dele se transformou no 1º filme. E também tem uma forma de pensar e de se comportar bem mais controlada.
Os efeitos especiais aqui não são tão impressionantes quanto os do 1º filme. Mas são funcionais.
Bom, se pra você é indispensável que os vilões se ferrem no final do filme, com certeza você vai gostar da Mosca 2: nenhum dos vilões aqui fica inteiro no final e todos pagam pelo que fizeram.
Aliás, quanto ao velho Anton, podemos afirmar sem medo de errar que, em toda a História do Cinema, ele foi um dos vilões que tiveram um fim mais justo.
Na verdade, a impressão que dá é que o diretor quis trabalhar especificamente com isso: os vilões são tão irritantes que você passa o filme todo esperando ansiosamente que eles levem o deles.rs E levam mesmo!
O Jeff Goldblum reaparece aqui em algumas cenas rápida do 1º filme que foram aproveitadas como footage. Mas ele não gravou nenhuma cena nova pro filme.
Clique aqui pra ver mais informações sobre A Mosca 2:


E clique aí do lado em ‘ficção científica’ que você acha um post sobre A Mosca.
Até a próxima!

sábado, 17 de outubro de 2015

LUKE EVANS

O galês Luke Evans tem mais dramas no currículo. E talvez ele seja mais lembrado por ter interpretado o deus Apolo, em Fúria de Titãs (2010), já que ele é um dos poucos deuses que aparecem falando no filme.rs E olhem que mais da metade das cenas dele ali foram cortadas na edição final!
Mas enfim: na área do terror foram poucos os trabalhos que ele teve até hoje.
Em 2012, o Luke protagonizou o filme Ninguém Sobrevive e também apareceu no filme O Corvo.
Vale lembrar que esse último não é visto por alguns como um filme de terror, mas sim de suspense.
E em 2014, o Luke protagonizou o filme Drácula: A História Nunca Contada.
Bom, clique no link abaixo pra ver mais informações sobre o ator:



E dê uma clicada aí do lado em ‘seres sobrenaturais’ que você acha um post sobre Fúria de Titãs.
Até a próxima!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

A MOSCA

título original: The Fly
título brasileiro: A Mosca
ano de lançamento: 1986
países: Canadá / Estados Unidos / Inglaterra
elenco principal: Geena Davis, Jeff Goldblum, John Getz
direção: David Cronenberg
roteiro: George Langelaan (autor do texto original), Charles Edward Pogue e David Cronenberg

Nos anos 80, um cientista chamado Seth cria o que parece ser a invenção do século: 3 cabines que conseguem teletransportar objetos de uma pra outra.
Quando tenta fazer isso com seres vivos, ele até consegue. Mas o teletransporte destrói o corpo das cobaias que ele usa!
Depois de fazer vários melhoramentos na máquina, ele mesmo se usa como cobaia, conseguindo se teletransportar com sucesso de uma cabine pra outra. Mas não percebeu que uma mosca entrou com ele na cabine quando ele fez isso...
Conclusão: a mosca foi destruída no processo e o DNA dela foi completamente absorvido pelo corpo do Seth, que começou a se transformar num mutante insetoide!
E a namorada dele, chamada Veronica, ficou grávida de um filho dele, que certamente vai nascer com o mesmo DNA mutante do pai!
Mas o que ela pode fazer se o Seth começou a enlouquecer, devido às monstruosas condições físicas que vai adquirindo?

Equivocadamente, muitas pessoas pensam que A Mosca é um remake de um clássico de ficção cientifica dos anos 50: A Mosca da Cabeça Branca (1958). Mas um filme não foi nem sequer inspirado no outro.
O que acontece é que os 2 filmes foram inspirados no conto The Fly (1957), do francês George Langelaan. E é por isso que eles se parecem em alguns pontos. Mas os 2 roteiros como um todo são bem diferentes.
A Mosca é o típico filme amado por alguns e odiado por outros. E nesse último caso, o filme conquistou a antipatia de muitos expectadores por causa das cenas splatter que ele mostra: enquanto o Seth passa pela metamorfose mutante que se desencadeou nele, ele começa a vomitar ácido e as partes humanas do corpo dele começam literalmente a cair aos pedaços.
Mas se você conseguiu ver Terror No Pântano (2006), você encara A Mosca numa boa.rs
Vale lembrar que esse é um dos raros filmes de terror a ganhar um Oscar (de Melhor Maquiagem).
A Mosca tem aventura, mas muito moderada e só em algumas cenas.
Parece que o diretor quis apostar mais no suspense e nas cenas splatter.
A Mosca é bastante pessimista (principalmente do meio pro fim). Mas consegue ter algumas pinceladas de comédia. Principalmente em alguns momentos em que o próprio Seth ironiza a situação em que ele se encontra.
Por trás disso, ele não esconde o sofrimento pelo qual tá passando e que aos poucos vai minando a sanidade mental dele.
Pra manter a simpatia do público pelo personagem, o diretor chegou a cortar uma cena que foi gravada em que ele matava um pequeno mutante híbrido criado por ele, num teste que ele fez quando começou a pensar em fundir o corpo dele com o da Veronica.
Bom, mesmo que você não curta splatter, vale a pena ver A Mosca até como curiosidade mesmo. Mas com certeza o filme vai agradar principalmente aos fãs de ficção científica.
O filme teve uma continuação, lançada em 1989.
Clique aqui pra ver mais informações sobre A Mosca:


E clique aí do lado em ‘slashers’ que você acha um post sobre Terror No Pântano.
Até a próxima!

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

HERSON CAPRI

O brasileiro Herson Capri é conhecido principalmente pelas várias novelas de que já participou. Mas a única produção considerada de terror em que ele já apareceu foi o filme O Escorpião Escarlate (1990).
Pra dizer a verdade, esse filme não é exatamente de terror. Mas consta em alguns sites como tal.
Como seja, O Escorpião Escarlate segue um padrão inteiramente de comédia. E satiriza muito mais os filmes policiais do que os filmes de terror.
Acho que ele foi considerado um filme de terror por algumas pessoas por causa da aparência de 2 vilões, que lembram uma vampira e um ‘vilão capacho’... Esse último parece uma mistura do Knock de Nosferatu (1922) com o Igor do Jovem Frankenstein (1974).rs
Os outros vilões parecem mais mafiosos italianos mesmo.
Bom, a história se passa no Rio de Janeiro dos anos 50 e gira em torno de um programa de rádio que apresentava uma história (completamente caricata, é claro) de aventura e suspense sobre um criminoso chamado Escorpião Escarlate. E ele comandava uma organização da qual faziam parte os vilões que eu mencionei acima. Mas, na parte final do filme, o Escorpião Escarlate revela que é real. E ele ataca a heroína principal, interpretada pela atriz Andréa Beltrão.
A cena final termina em aberto, deixando indefinido se todo o filme foi só um sonho da protagonista ou não.
Mas, como eu disse desde o início, a base do filme é a comédia: não assista levando a sério.
Bom, clique aqui pra ver mais informações sobre o Herson:


E dê uma clicada aí do lado em ‘góticos’ que você acha um post sobre Nosferatu.
Até a próxima!

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

VYHNÁNÍ Z RÁJE

título original: Vyhnání Z Ráje
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 2001
país: República Tcheca
elenco principal: Bolek Polívka, Jan Antonín Pitínský, Milan Steindler
direção: Vera Chytilová
roteiro: Desmond Morris (autor do texto original), Bolek Polívka e Vera Chytilová

Numa manhã ensolarada, um médico chamado Rosta tá tomando café num restaurante, quando uma cena inusitada chama a atenção de todos: um velho nu da cabeça aos pés entra correndo no restaurante procurando um médico!
Logo a situação é explicada, pois o velho é um frequentador de uma praia de naturismo não muito longe do hotel. E uma criança que tava na praia comeu um bichinho que encontrou na areia, o que deixou todos ali preocupados, com medo da criança ter se envenenado.
O Rosta decide ir até lá com o velho. E depois de constatar que a criança não tem nada, ele olha ao redor e acaba tendo uma ideia: dirigir um filme ali naquela praia, tendo os próprios naturistas como elenco.
Ele convida 2 amigos chamados Igor e Petr pra serem respectivamente o produtor e o roteirista do filme. E eles acham a ideia interessante também. Mas surge um problema: cada um dos 3 quer fazer um tipo diferente de filme...

Inspirado no livro The Naked Ape (1967), do inglês Desmond Morris, Vyhnání Z Ráje tá longe de ser um filme de aventura e ação, mas é desnecessariamente longo e cheio de blá-blá-blá.
Bom, é um filme de arte europeu, né? As últimas coisas que a gente vê nesse tipo de produção são aventura e ação.
Também não contem com comédia nem com suspense.
Pra dizer a verdade, a própria história não se desenvolve muito.
Vyhnání Z Ráje chama mais atenção por mostrar cenas de nudez total em cerca de 80% das cenas (embora os atores do elenco principal nunca apareçam sem roupa).
A propósito, a nudez que aparece é completamente desprovida de erotismo: não tem nenhuma cena de sexo no filme.
Eu realmente não encontrei informações sobre o local da filmagem. Mas, embora a história se passe numa praia, julgando pela tranquilidade da água, Vyhnání Z Ráje parece ter sido gravado às margens de um lago (até porque a República Tcheca não tem Mar).
Bom, vale a pena ser visto como curiosidade, por fugir bastante da estética americana.
Clique aqui pra ver mais informações sobre Vyhnání Z Ráje:


Até a próxima!