quinta-feira, 7 de junho de 2012

MADMAN

título original: Madman
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 1982
país: Estados Unidos
elenco principal: Gaylen Ross (creditada aqui como Alexis Dubin), Paul Ehlers, Tony Fish
direção e roteiro: Joe Giannone

Não se sabe bem se isso aconteceu nos anos 60 ou 70, mas foi naquela época que um homem que morava com a esposa e os 2 filhos numa casa na Floresta de North Sea provocou uma tragédia...
Ele já era famoso pela personalidade agressiva que tinha. E muitos acreditavam que era louco, pois, do nada, sem explicação nenhuma, ele costumava praticar algum ato de extrema violência e, quando terminava, agia como se não tivesse feito nada de errado.
A gota d’água foi numa noite em que ele matou a esposa e os filhos a golpes de machado e, depois, foi até um bar próximo e pediu uma rodada de cerveja, sem demonstrar nenhuma alteração!
Quando os habitantes da cidade vizinha souberam, se revoltaram de tal forma que 10 homens agarraram o tal homem e lincharam ele violentamente, chegando a arrebentar o lado direito da cara dele com um golpe de machado. E depois arrastaram ele até a floresta, amarraram uma corda no pescoço dele e penduraram numa árvore, deixando ele lá pra morrer enforcado e sozinho... Mas, no dia seguinte, quando voltaram pra enterrar o cadáver, encontraram a forca arrebentada e nem sinal do tal homem!
Muitos acreditam que ele virou uma assombração que, desde então, se esconde entre as árvores daquela floresta. E não ousam pronunciar o nome dele em voz alta, pois acreditam que, se alguém fizer isso, ele aparece e mata a pessoa e todos que tiverem perto dela na hora.
O nome dele é Marz. Ou, como ficou conhecido devido à sua suposta insanidade, o “Louco Marz”.

Essa lenda, lançada pelo filme Madman, é contada logo nas primeiras cenas, à luz de uma fogueira, pelo personagem Max, diretor da colônia de férias que hoje fica em North Sea.
E não podia dar em outra: um garoto do grupo, chamado Richie, querendo se exibir pros outros, berra o nome da assombração o mais alto que pode. Mas o próprio Max deixa claro que o que ele contou é só uma historinha.
Como já tá na hora de dormir, as crianças apagam a fogueira e se enfileiram pra voltar pro alojamento. Mas o Richie deixa a fila depois de olhar pro alto e ver um vulto espreitando eles do alto de uma árvore. E se aproxima pra ver melhor quem tá ali, mas acaba perdendo a criatura de vista... Mas se engana quem pensa que ele vai morrer. Já os outros personagens adultos quase todos do filme...
Aliás, a lenda que o Max conta não parece ser mesmo tão real assim: os resultados de invocar o tal Marz não são exatamente como ele diz ali.
Bom, Madman é uma mistura de slasher com história sobrenatural. Mas não é um filme de muita ação. Até porque o vilão aqui nem costuma ir muito atrás das vítimas dele: prefere deixar que as vítimas vão até o lugar onde ele tá e aí mata.
Sobre a produção, no post abaixo desse, eu falei sobre A Ilha dos Cães (1982), que é um filme muito criticado por causa da escuridão total ou quase total de uma grande parte das suas cenas... Em Madman, apesar de 99,9% do filme se passar de noite, não aconteceu isso: o diretor usou uma iluminação de tom azul escuro em todas as cenas noturnas, criando um clima de escuridão sem deixar a tela toda preta (e consequentemente, sem deixar o filme incompreensível).
Esse filme é bem pouco conhecido por ter sido feito basicamente por desconhecidos: quase todos os atores e atrizes que aparecem aqui fizeram só esse filme ou poucos filmes além desse. E o próprio Joe Giannone teve aqui o seu único trabalho como roteirista e também o seu único trabalho como diretor geral.
O roteiro de uma continuação chegou a ser escrito. Mas nunca chegou a sair do papel.
Clique aqui pra ver mais informações sobre Madman:


Até a próxima!

3 comentários:

Hugo disse...

Assisti muito filmes de terror dos anos oitenta, mas a cada dia encontro uma novidade no seu blog.

É legal descobrir estas raridades.

Abraço

Kleber Godoy disse...

Olá, Leo,

Obrigado pela visita e pelo comentário. Isso que desejamos com esta parte de comentários: interação, concordância, discordância... enfim, uma conversa que deixe o post mais rico para quem aqui passar.

Volte sempre que quiser.

Muito legal seu espaço também!!

Um abraço,

Kleber e Jonathan

Leo Carioca disse...

Hugo→ Você acredita que até hoje eu encontro aí pela Internet filmes de terror do início dos anos 80 de que eu nunca tinha ouvido falar?rsrs Aquela época foi muito rica em filmes de terror (principalmente slashers). Então, por mais que a gente se informe sobre filmes de terror oitenteiros, acho que a gente sempre vai esbarrar com alguns que ainda não conhecia.
Abraço também!

Kleber→ Ah, também acho. Um blog sem comentários não tem graça. A gente precisa de opiniões sobre o que a gente tá postando, né?
Abraço também!