sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

CYBERCOPS, OS POLICIAIS DO FUTURO



título original: Deno Keisatsu Saibakopu
título brasileiro: Cybercops, Os Policiais do Futuro
ano de lançamento: 1988
país: Japão
elenco principal: Mika Chiba, Ryoma Sasaki, Shogo Shiotani, Tom Saeba (creditado aqui como Ryuji Mizumoto), Tomonori Yoshida (creditado aqui como Yuki Yoshida)
direção: Hirochika Muraishi, Kiyotaka Matsumoto e Yoshiki Kitamura
roteiro: Junki Takegami, Kazuhiko Goudo e Shiyoshi Ohashi

É só prestar atenção no pôster de Cybercops, Os Policiais do Futuro que já dá pra perceber o 1º sinal de baixo custo dessa produção: um dos membros do grupo (a heroína Tomoko) ficou sem armadura, pois a produção não teve dinheiro pra fazer a referida roupa.
E os poucos recursos não pararam por aí...
O único cenário fixo desse seriado era o quartel-general dos heróis. Nos outros, como as 2 bases dos vilões, os atores era filmados contra um fundo de cromaqui e depois a imagem era inserida num cenário desenhado em 3D, pois também não tinham dinheiro pra fazer cenários.
Na história, os vilões usam um robô guerreiro diferente a cada capítulo: os robôs da tropa Harkos e da tropa Ominos. Mas a produção só teve dinheiro pra fazer 1 fantasia de robô Harkos e 1 fantasia de robô Ominos, que eram recicladas e reutilizadas a cada capítulo pra fazer parecer que eram vários robôs diferentes.
Os demais seriados japoneses de aventura da época eram gravados com câmeras profissionais e películas de filmes. Mas Cybercops foi gravado com câmeras domésticas e fitas de VHS!
Bom, por que uma produção de custo tão baixo conquistou uma legião de fãs tão grande no Brasil na época em que foi exibida aqui? Provavelmente porque, apesar de ser um sentai, Cybercops fugiu de vários clichês de sentais... Nos demais seriados desse tipo, os heróis têm algum tipo de arma mortal que só se forma quando todos os membros do grupo tão juntos (geralmente cada um fica com um pedaço da arma), os vilões atacam com monstros gigantes ou fazem monstros que morreram em tamanho normal ressuscitarem em tamanho gigante, os heróis usam um robô gigante pra lutar contra esses monstros gigantes... E em Cybercops nada disso aparece.
Por isso mesmo, há quem questione se esse seriado é um sentai... Mas é! É um seriado de aventura que tem como heróis um pequeno grupo de guerreiros que usam armaduras de cores diferentes e que lutam contra uma quadrilha de vilões superpoderosos. Isso não caracteriza um sentai?rs
Mas enfim: essas novidades que Cybercops trouxe pro universo sentai obviamente chamaram a atenção dos fãs do gênero.
Por outro lado, o seriado também é lembrado por ter sido, indiretamente, a causa de uma tragédia: o suicídio do ator Shogo Shiotani, que interpretou o herói Marte.
Ele sofria de transtorno bipolar e teve ali a estreia dele como ator, o que fez ele desenvolver uma obsessão por Cybercops. E cerca de 10 anos depois, ele se envolveu no projeto de fazer uma continuação do seriado. Mas, como o projeto acabou não rolando, ele entrou em depressão, ao mesmo tempo em que a carreira dele começou a entrar em decadência e ele começou a passar por problemas financeiros sérios... Enfim, ele acabou se matando em 2002.
Tragédias à parte, posso recomendar esse seriado a fãs de sentais e a quem gosta de seriados de aventura em geral. Descontando as falhas na produção que eu mencionei, não é um seriado ruim.
Clique aqui pra ver mais informações sobre Cybercops:


Até a próxima!

5 comentários:

Gilberto Carlos disse...

Sabe que esses seriados japoneses nunca me atraíram muito. Claro que os melhores foram lançados nos anos 80 e eu acabava vendo os desenhos da Globo como Thundercats, He-man, Os smurfs. Abraços.

Marcelo C,M disse...

Eu curtia bastante e realmente se criou uma grande legião de fãs. Mas mesmo com os defeitos da produção, eram na verdade os personagens carismáticos que faziam a diferença nas historias.

Bússola do Terror disse...

Gilberto→ Eu vi tudo isso que você disse.rsrs Acho que quem foi criança nos anos 80 pegou uma boa leva de desenhos, né? Porque os de hoje...
Abraços também!

Marcelo→ Com certeza. Inclusive os heróis de Cybercops até tiveram as vidas pessoais mais expostas do que na maioria dos outros sentais, né? Acho que eles acabaram ficando mais humanizados por causa disso.

Fernando Terroso disse...

Junto com o Changeman, Cybercops era o tokusatsu que mais gostava, as vezes vejo algum capitulo no youtube.

Bússola do Terror disse...

É. Aliás, eu só consegui ver os últimos capítulos no YouTube, porque nunca passou na televisão, né?